PAPAI, CHICO MEIRELES E OS GAYS

By , 30 April, 2013 11:14 am

PAPAI, CHICO MEIRELES E OS GAYS

Memélia Moreira

Papai se chamava Geraldo Guimarães Moreira. Era boêmio, libertário amoroso e dava o sangue e a alma pelo “Jornal do Povo”, fundado por seu irmão, meu tio, Neiva Moreira, em 1950 e   fechado dias depois do golpe de abril de 1964. Papai nasceu em 15 de janeiro de 1920, na cidade de Barão de Grajaú, no Maranhão.  Morreu em janeiro de 1971.

Francisco Meireles era amoroso, libertário, não sei sobre suas boemias, sertanista, entregou a vida aos índios. Nasceu em 21 de fevereiro de 1908, na cidade do Recife e morreu em junho de 73.

Não me debrucei sobre os vícios e defeitos de nenhum dos dois. Nem me interessa. Guardo deles lições de vida que me moldaram e hoje são importantes para que eu assuma algumas bandeiras atuais.

Antes de mais nada, me apresento. Nasci em 23 de outubro de 1947, na cidade de Boa Vista, capital de Roraima e cresci entre Rio de Janeiro, São Luís do Maranhão, minha paixão, e Brasília, paixão igual.  Sou jornalista, libertária, de formação intelectual errática. Hoje leio István Mészaros e em seguida, abro Marie Claire, Vogue ou Elle e mergulho intensamente nas frivolidades ditas. Tenho paixão por Machado de Assis, Marcel Proust, Dostoievsky. Baudelaire, Bandeira Tribuzi, Sousândrade, Rimbaud, Pepetela, Mia Couto e tantos outros. Os amigos dizem que sou generosa. Pode ser. Dos meus defeitos, eu sei. Sou impaciente com pessoas neutras, intolerantes de qualquer natureza, mal-humoradas e, principalmente com aquelas que carregam o que chamo de “pollyanismo’, essa mania de acreditar que tudo está bem e querer agradar todo mundo o tempo todo. Bato de frente com quem se escuda atrás de qualquer religião, mas rezo sempre que me lembro. E, antes que me esqueça: heteroessexual bem resolvida.

Que traços em comum teriam Papai, Chico Meirelles e os gays.  Calma, mais adiante vocês vão saber. E se alguém estiver esperando por um tratado sobre gays, esqueça. Não tenho nenhuma tese sobre o assunto e nem sei citar os clássicos que tentam explicar porque um homem ou uma mulher é homossexual. Acho que a natureza, os fez assim. A mim me basta essa certeza.

Estou escrevendo tudo isso porque fui provocada por uma história contada por um jornalista de quem gosto muito. Chama-se Carlos Marchi.  Há dias ele postou no Facebook, esse grande ponto de encontro, militâncias, onde se debate desde o mais recente botox da Esplanada dos Minsitérios, passando pelas piadas, poesias, manifestações governistas e anti-governistas, intrigas políticas nacionais e internacionais e, principalmente, assuntos da ordem do dia uma pequena notícia.

Pois bem, Carlos Marchi nos conta história que aconteceu num parque público em São Paulo. Dois homens se beijavam na boca e uma criança assistiu a cena. Curiosa, como devem ser as crianças, perguntou à mãe o significado da cena. A mãe, sem responder, pegou o filho e se afastou correndo do beijo. Marchi disse que não saberia responder a pergunta se ela fosse feita por um filho seu. E eu sugeri ao meu amigo que a mãe respondesse apenas, “ele se beijam porque querem se beijar”. Nada mais simples.

Meus questionamentos me importunavam. E eu me dizia, que sorte a dessa criança e de sua mãe. Nenhum dos dois viveu o tempo em que o beijo público entre um homem e uma mulher também era uma cena vamos dizer, imoral, escandalosa. Nem precisa ir muito longe. “Cinema Paradiso” me resgatou. A herança deixada por Alfredo, que juntou no mesmo celulóide todas as cenas de beijo, entre um homem e uma mulher, cortadas pela censura religiosa de uma Itália da primeira metade do século XX me deu um alívio sobre a evolução da humanidade.

Mas os neuroniozinhos ainda não estavam satisfeitos. A história e a tentativa de montar a cena do parque continuavam beliscando meus pensamentos. E então, um filme, sem celulose, me transportou à minha infância tão rica em experiências. E, também, aos aprendizados que o Jornalismo me concedeu.

Era final dos anos 50, eu andava aí pelos 11, 12 anos, na minha ilha de São Luís, chamada de “Ilha dos Amores” ou, “Ilha Rebelde”. Seu Frauzino era um líder da comunidade do Sacavém, bairro proletário.  Negro retinto (no Maranhão, a pele negra tem vários tons: “negro retinto”, ou seja, puro; o “Roxinho”, com aquela tonalidade de pele comum aos indianos, paquistaneses; “Mulato claro”, ‘Mulato escuro” e outras subdivisões das quais já me esqueci), e olhos amendoados, ele era também nosso cabo eleitoral.

Um dia, alguém contou ao Papai que seu Frauzino, figura que frequentava muito nossa casa, era “maricas” (denominação socialmente aceita para denominar os “qualiras”, regionalismo maranhense para gays). O assunto foi lembrado na hora do almoço. E Papai, aquele homem que nasceu na segunda década do século XX apenas respondeu, “Isso não interessa. E daí, muda alguma coisa? Ele não é homem, nem mulher, ele só é diferente. É assim. E, pronto”. A discussão morreu. Não para mim que a guardei em alguma gaveta da memória.

Nos início dos anos 70, já com meus 24, 25 anos, convivi de perto com o sertanista Chico Meireles. Tenho dele grandes lembranças de ensinamentos que só depois de madura percebi a grandeza do que aprendera. Lembro de Chico Meireles deitado na rede num apartamento modestamente mobiliado na 205 Sul, em Brasília. Jornais espalhados pelo chão e o cheiro da caldeirada de peixe que borbulhava na cozinha integram essas lembranças. Ali, entre jornais e goles de cachaça, se escrevia a história de alguns dos povos indígenas da Amazônia, principalmente a da nação Xavante.

Seu Chico participou de muitas frentes de atração de índios sem contato com a sociedade nacional.  Era sertanista desde os tempos do SPI (Serviço de Proteção aos Índios) e se aposentou pela Funai.

Numa dessa frentes de contato, estava com seu filho Apoena Meireles e seu genro, Ezequias Heringer, o “Xará”. Filho e genro também sertanistas. Xará foi meu querido amigo desde a adolescência até meus 40 anos, quando um acidente de carro o matou. Era meu confidente, pai, irmão. E brigávamos muito. Muito mesmo. O machista mais carinhoso com quem convivi.

Da frente de atração, além de Chico Meireles, Apoena e Xará, havia um indigenista apelidado “Campinas”. Gay.

Um dia, em plena floresta, nas proximidades do rio Peixoto de Azevedo, Mato Grosso, terra dos Krena-Karore (Panará), Xará e Apoena chegam esbaforidos perto da rede de seu Chico e contam, indignados e atropeladamente, que Campinas, o indigenista gay, “estava comendo os índios”. E eles não falavam exatamente de canibalismos.

O velho Chico, mais indignado ainda, senta-se na beira da rede e pergunta: “Apoena, o cu é seu?”. Apoena, já de cabeça baixa, responde “Não”. Vira-se para “Xará e refaz a pergunta, “Xará, o cu é seu?”. Quieto, mas trincando os dentes, Xará responde “Não”. E aí aquele homem que nasceu no começo do século XX, deu a lição: “O cu é dele. Vocês dois não tem que reclamar de nada. Deixem o Campinas em paz e não me encham o saco”. Era assim, seu Chico Meireles.

Agora, já nos meus 65 anos aquela lição de respeito ao outro que esses dois homens me deram em épocas tão diferentes da minha vida me devolvem à criança do beijo. E não mais acredito que ela é uma criança de sorte. Vai atravessar o século XXI sem ter  vivido a oportunidade de receber uma aula  de respeito quando viu dois homens se beijando. E lamento mais ainda pela mãe do garoto que jamais entenderá as tantas variedades de amor manifestadas pelo ser humano.

Marchi, meu amigo, eu te agradeço muita aquela postagem. Tu reavivastes momentos esquecidos.  Até agora nem eu sabia a razão pela qual defendo a bandeira dos gays. Não é apenas porque minha militância política está sempre a postos para lutar em defesa dos discriminados de um modo geral. Mas porque, no passado, dois homens tão diferentes entre si imprimiram em mim a noção da alteridade. E, mais ainda, a respeitar essa alteridade.

Que se beijem todos!

Que se beijem homens e mulheres, mulheres e mulheres, homens e homens, anjos e demônios, todos. Eu prefiro vê-los aos beijos que entre quatro paredes construindo bombas ou planejando a destruição do planeta que me serve de moradia. E   porque, canta o poeta…

 

“…Eles amaram de qualquer maneira, vera

Qualquer maneira de amor vale a pena

Qualquer maneira de amor vale amar

 

…Qualquer maneira de amor vale aquela

Qualquer maneira de amor vale amar

………………………………………

Qualquer maneira de amor valerá”

6 Responses to “PAPAI, CHICO MEIRELES E OS GAYS”

  1. So you think these layabouts are an exception.For everyone murdered there are thousands abused and neglected.Go see I dare you.Never though I would live to see a money grabbing defense lawyer say anything decent but Ryan on his retirement did – maybe getting killers off with lies and deceit got to even him.

  2. Kristy says:

    I lirltaley jumped out of my chair and danced after reading this!

  3. sérgio meireles says:

    Acabode ler o seu belo texto.Nesses tempos de celebridades e famosos, que proliferam como ratos em nosso país,obrigado por lembrar de homens com a grandeza do meu sábio tio Chico, e do brilhante jornalista Neiva Moreira.Com eles,que já se foram, aprendi a enxergar o lado doce da vida.

  4. Ivanildo says:

    Muito bom. Excelente.

  5. Belíssimo texto. Parabéns! Fiquei emocionado.

  6. Eliete Ferrer says:

    Parabéns! Belas e meigas palavras!

Leave a Reply

Panorama Theme by Themocracy