A COR DO ASCO

By , 2 April, 2013 9:51 am

A COR DO ASCO

Memélia Moreira

Na simbologia das cores ao vermelho, minha cor favorita, coube o significado da luta, da vivacidade; ao amarelo, a riqueza; ao verde, a esperança; ao branco, a paz e ao preto, o luto. Mas não encontro, nessas simbologias  a cor que signifique o asco. Porque, sim,  o asco tem cor. E só a percebi quando estava com 25 anos de idade.

Tudo começou no primeiro semestre de 1964.

Era o primeiro dia de abril. Naquela manhã  já se anunciavam as ondas do frio ameno que ainda existia no inverno de Brasília, antes de ser devorada pela especulação imobiliária. Na minha escola, onde estudavam muitas filhas de congressistas, havia eletricidade no ar. Adolescentes em polvorosa.  Cruzei o portão de saída sem ser autorizada pela  “irmã superiora”. Fui pelas ruas disposta a defender meu país contra um golpe de estado. Ia em busca das armas que, segundo os boatos da principal avenida de uma capital ainda em construção, seriam entregues aos resistentes no Teatro Nacional, monumento do genial Niemeyer.

Não havia armas. Só uma fila imensa para recrutar combatentes de uma guerra que nos parecia de curta duração. E, venceríamos. Eu tinha direito de pensar assim. Estava com apenas 16 anos.

Passaram-se quatro anos e “eles”, os golpistas, insatisfeitos em desestruturar famílias, prender, torturar e matar, impuseram o silêncio na tarde de 13 de dezembro de 1968.  Era o AI-5.  Naquele momento, a oposição armada já se organizara nas imensidões do país.  E então, fugi.  Fugi para uma Paris que abrigava muitos exilados. E,  entre livros e longas conversas com uma requintada parcela da intelligentsia francesa,  exilei meus medos. O medo de ser covarde por não ter coragem de mergulhar numa clandestinidade que parecia não ter volta e o medo de me deixar engolir pela alienação. Paris não foi meu exílio. Foi minha luta particular com meus conflitos.

E quando os derrotei, descobri que havia outras trincheiras de luta. Escolhi uma a qual  se transformou em militância que até hoje carrego para onde quer que a Rosa dos Ventos me transporte.  Foi na defesa dos povos indígenas e de todos aqueles que sob balas disputavam, e ainda disputam,  um pedaço de terra contra os latifúndios da fome que me construí  jornalista e assim lutei, com papel e caneta contra “eles”, os ditadores. Essa é e sempre será minha trincheira. Um campo de batalha onde não se admite neutralidade, apesar desse mito tão difundido por todos aqueles que esperam da nossa profissão apenas a concordância com os poderosos. Nunca fui neutra. Jamais serei. E para que os poderosos e seus aliados não tenham dúvidas da minha opção, repito, minha luta, que a princípio era apenas contra aqueles que usurparam o poder no meu país, ampliou-se à defesa dos que são submetidos à opressões. Por todo e qualquer deserdado da Terra.

E foi a opção que fiz quem me levou à descoberta da cor do asco. É acajou. Um acajou intenso que escorre da cabeça pela testa, vai ao pescoço e, às vezes, se instala numa das orelhas como se fosse uma cicatriz nauseabunda. Acajou era a cor preferida dos pequenos e grandes déspotas que governaram o país durante a ditadura militar iniciada pelo golpe de 64.

A cor do asco me veio por acaso. Foi em 1971. E eu nem estava preparada.

Era a inauguração da BR-O80 (Brasília-Manaus), uma estrada inacabada e que estuprou o até então inviolável Parque Indígena do Xingu. Dias antes da viagem, o coronel Costa Cavalcanti, ministro do Interior, deu entrevista coletiva. Fui escalada e era, praticamente, minha primeira entrevista importante.

Fiz uma ou duas perguntas mesmo sentindo um terrível desconforto  com os olhares gulosos do coronel-ministro. Acabada a entrevista enfrentei o primeiro dos muitos assédios daqueles homens que, insatisfeitos em desestruturar famílias, em prender, torturar, matar, calar, também se sentiam à vontade para exercer seu poder de macho diante de, quem sabe, prováveis presas assustadas.   O ministro me chamou e, com aquela voz melosa de locutor de rádio dos anos 50, disse “ô, benvinda, minha jovem (odiava quem me chamasse de minha jovem ou querida). Você vai me acompanhar nessa viagem. Meu avião sempre tem lugar para belas mulheres”. Disfarcei com um quase sorriso e então, sem querer,  olhei para a cabeça do coronel. E vi. Uma  tinta escorria dos seus ralos cabelo. E era acajou. Fui invadida pelo asco.

Asco daqueles poderosos que levaram meu pai e meu tio para longe,  mantinham meu irmão Sonsonho na cadeia, depois de torturá-lo e, minha irmã Gagocha na clandestinidade. Senti ânsia de vômito. Controlei. Não ali. Não naquela hora.

A entrevista do dia seguinte foi ainda pior. A investida veio do chefe da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (SUDECO), órgão destinado a beneficiar os grandes fazendeiros que começavam a desmatar Mato Grosso e Goiás (na época não existia, Mato Grosso do Sul e Tocantins),  Sebastião Camargo. Ele, integrante da comitiva que viajaria para a inauguração da BR-080,   fez parecer o convite do coronel Costa Cavalcanti apenas um escorregão de  um cavalheiro.  O acajou dos seus cabelos já estava desbotando. Só  as pontas ainda mantinham a cor do asco. E usava um perfume ordinário.

Sebastião Camargo, também fazendeiro, como todos que dirigiram a SUDECO, não contente de  em plena entrevista coletiva, me  jogar no rosto palavras que pretendiam ser galanterias mas que pecavam pela vulgaridade e absoluta falta de originalidade, depois de insistir que viajasse em seu avião, decidiu que me daria um abraço ou coisa parecida. A cena chegou às raias do ridículo. Em frente aos meus colegas, eu corria ao redor da mesa para escapar do cheiro daquele homem. E ele corria atrás de mim. O espetáculo durou menos de um minuto, tempo bastante para me ensinar que, a partir daí, o jogo seria pesado.

O aprendizado foi rápido.

As viagens de jornalistas eram sempre de útima hora. E numa dessas, acordei às quatro da manhã para embarcar num bimotor, novamente para minha Amazônia. Peguei a primeira camiseta disponível. Era amarela, com dois gorilas e um deles dizia “I feel sexy”.

Na cidade de Xavantina, Mato Grosso, que a qualquer hora do dia ou da noite faz um calor insuportável, estavam inaugurando uma ponte sobre o rio das Mortes. E  lá vem um outro coronel (na época, os coronéis se empoleiravam nos cabides de emprego do Ministério do Interior, principalmente Funai, Ministério dos Transportes e Ministério das Comunicações). Esse devia ter pintado o cabelo na véspera. Não limpou direito e a cor acajou escorria pela testa. Nojo. De novo. E desse, sequer me lembro o nome. Ele chegou com aquele sorriso de cabaré de garimpo e me perguntou, “Você sente o que esse macaquinho (não era macaquinho, era gorila) está dizendo?”. Rosnei e respondi, “Coronel, sinto. E muito. Depende do gorila que estiver do meu lado”.  Ele me olhou ainda com sorriso de cabaré de garimpo e disse, “você é perigosamente espirituosa…” . Suei de nervosismo.

Eu sabia os riscos que estava enfrentando. Sabia que podia perder meu emprego com apenas um telefonema dos gorilas poderosos. Mas estava decidida não apenas a continuar trabalhando mas, principalmente, reagir a qualquer investida. Uma dessas poderia ter custado minha liberdade. Aconteceu em Santa Isabel do Morro, ilha do Bananal.

Eram 20 pessoas, das quais 17 homens e três mulheres. Estava com a também jornalista Eliana Lucena, do jornal “Estado de São Paulo” e  minha melhor amiga. A terceira mulher era uma loura.  Eliana e eu logo a apelidamos de “agente da Gestapo”. Ela estava com os coronéis e sua função era nos acompanhar. Estava ali para nos espionar. Não podíamos contar com ela.

Depois de um dia de reuniões por Mato Grosso, dentro de um DC-3 da FAB, decolando e pousando em pistas improváveis, a comitiva pernoitou no Hotel JK (originalmente se chamava Hotel Juscelino Kubistcheck. Depois do golpe passou a ser chamado oficialmente de Hotel John Kennedy), na beira do Araguaia, esse que é um dos rios da minha vida.

Os homens da comitiva eram todos coronéis. Todos com os cabelos pintados de acajou com a tinta escorrendo pelo pescoço,  todos usavam óculos escuros. E todos, sem exceção, bêbados. E, trôpegos. Foi então que um deles, Oscar Jerônimo Bandeira de Mello, presidente da Funai, com a voz pastosa de whisky barato e ainda de óculos escuros em plena noite, falou, “Temos três mulheres aqui. Vamos fazer uma festa”. Meu sangue não gelou. Ferveu. Asco e ódio. Fui para o apartamento que dividia com Eliana, empurramos o pesado armário contra a porta, abri minha valise, tirei a gilete com a qual raspava as pernas  e disse para Eliana, “o primeiro que tentar abrir essa porta, eu capo”. Foi uma noite de pânico e insônias, mas acho que os coronéis estavam tão bêbados que não conseguiram subir as escadas que davam acesso ao nosso apartamento. Ufa! Escapamos.

Cada viagem para a Amazônia, o sabor da aventura de estar naquela que é uma das mais belas regiões do mundo que conheço vinha sempre temperado de   pânico. Pânico  pelas reações que poderiam ter aqueles homens inescrupulosos. Diante do fracasso de suas investidas passavam então a fazer insinuações sobre nossas sexualidades porque percebiam que nem o poder de vida ou morte sobre todo um povo era suficiente para nos curvar e ceder às suas exibições de masculinidade hesitante.

A descoberta da cor do asco me mostrou que aqueles que detinham o poder absoluto duranta a ditadura mlitar eram tão conscientes de sua força que acreditavam que esse poder também lhes concedia a capacidade de exercerem a delicada arte da sedução. E para essa arte é exigida a habilidades de ourives e não a brutalidade de quem aciona o “pau-de-arara”.

 

Esses e outros episódios semelhantes, estão ainda engasgados dentro do meu eu mais profundo. São meu  testemunho da relação entre aqueles homens que desestruturavam famílias, prendiam, torturavam, matavam, silenciavam e nós, mulheres que estavam apenas querendo exercer nossa perigosa profissão de jornalista.

 

http://desarquivandobr.wordpress.com/2013/03/24/vii-blogagem-coletiva-desarquivandobr/

6 Responses to “A COR DO ASCO”

  1. Hawk says:

    My sister loves caramel apples and I think this would quality, don't you? This is easy and quick. We love easy and quick. Your apples are phhegorapotd beautifully, too.Take care, Linda

  2. Milly says:

    Real brain power on dipsyal. Thanks for that answer!

  3. Vera Nitsch says:

    Oi Memelia

    Adorei seu texto, como vc escreve bem, denso , emoção pura.
    Primeira vez que leio alguma coisa sua
    Bj grande

  4. Eliana lobo says:

    Muito boa essa simbologia da cor do asco. Realmente, aquele velho asqueroso que disse que a laranja estava tão gostosa quanto os peitinhos de uma menina moça tinha a cor acaju que escorria pela testa e pescoço, entre outros.
    Beijos,
    Eliana

  5. […] que as verdades sempre vão brotar por esse mundo. Sempre. É com essa certeza que as pessoas vivem, é por essa certeza que as pessoas […]

  6. Cristina Moreira Schiel says:

    Finalmente uma publicação!! Por acaso o Zé Reinaldo perguntou se você ainda escrevia no blog. Vou avisar a ele.
    Só pra variar, seu texto está excelente!
    Beijos, TINA.

Leave a Reply

Panorama Theme by Themocracy